Um Amor entre dois mundos
Bem Vindo ao Fórum de Vampiros da actualidade!
Inscreva-se e divirta-se!
Foi criado um novo fórum, para a promoção da série da Lua Vermelha, e fomentar a amizade entre os fãs, é uma forma de nós provarmos que existem verdadeiros fãs das novelas nacionais. Esperamos, por vós...
Foi criado um novo fórum, para a promoção da série da Lua Vermelha, e fomentar a amizade entre os fãs, é uma forma de nós provarmos que existem verdadeiros fãs das novelas nacionais. Esperamos, por vós...
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Últimos assuntos
» Noção básicas sobre FanFics
Dom Mar 11, 2012 2:05 am por Pedro Conde Drákula

» A Obra Twilights
Dom Fev 26, 2012 3:06 am por Tiffany

» Isabel e Afonso - O espirito universitário
Ter Jan 03, 2012 10:43 pm por c@rl:)s

» Beta Reads
Qui Dez 29, 2011 10:51 pm por Graça Vampira

» RBL& vampiros --»espírito universitário
Qui Dez 29, 2011 1:55 am por c@rl:)s

» Fas De Lua Vermelha Port Chanel's
Seg Dez 26, 2011 3:09 pm por Pedro Conde Drákula

»  Uma historia inventada por mim
Sab Dez 24, 2011 5:13 pm por daniela

» Concurso Contos - Mês Dezembro (Inscrições)
Sab Dez 24, 2011 4:07 pm por Graça Vampira

» Dúvidas? Preciso de ti!
Sex Dez 23, 2011 12:07 pm por Graça Vampira

Chat

Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Isabel e Afonso - O espirito universitário

Ir à página : Anterior  1, 2

Ir em baixo  Mensagem [Página 2 de 2]

Tiffany

avatar
Watching the Stars
Watching the Stars
Continua, pinho! Gosto mto da tua história Very Happy

Graça Vampira

avatar
Adminstração
Nao continuas? Quero ler-la toda até ao fim...

http://lua-vermelha.forumotion.com

28Assunto Re: Isabel e Afonso - O espirito universitário em Qua Maio 04, 2011 8:00 pm

filipa trigo

avatar
Videomaster
Videomaster
Graça Vampira escreveu:Nao continuas? Quero ler-la toda até ao fim...

continua

29Assunto Re: Isabel e Afonso - O espirito universitário em Dom Maio 29, 2011 8:00 pm

Tiffany

avatar
Watching the Stars
Watching the Stars
filipa trigo escreveu:
Graça Vampira escreveu:Nao continuas? Quero ler-la toda até ao fim...

continua

Continua; Continua; Continua; OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOH CONTINUAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!


_________________
Abre é importante:
Spoiler:
Sabes que muitas histórias acabam por morrer por falta de comentários não deixes a tua preferida morrer comenta-a

http://JAlvarengaeLisaScott.hi5.com sou fã da Joana Alvarenga, acho-a uma excelente actriz

30Assunto Re: Isabel e Afonso - O espirito universitário em Seg Out 24, 2011 11:15 pm

Pedro Conde Drákula

avatar
Adminstração
Pessoal!
Em breve, irão ter uma surpresa aqui no fórum... Aguardem!


_________________
Sou a favor da campanha: Deixa o teu comentário na história
É verdade! Já repararam com certeza que este site é constituído por Histórias venho assim dizer que o vosso comentario é extremamente importante, pois motiva o escritor a escrever mais e melhor!

Nem que seja um simples continua

Pensem nisso!
http://lua-vermelha.forumotion.com/

31Assunto Re: Isabel e Afonso - O espirito universitário em Dom Nov 27, 2011 11:38 pm

filipa trigo

avatar
Videomaster
Videomaster
Pedro Conde Drákula escreveu:Pessoal!
Em breve, irão ter uma surpresa aqui no fórum... Aguardem!

nao tens continuaçao!!

Pedro Conde Drákula

avatar
Adminstração
Bem sei que estou muito atrasado, mas isto ainda não acabou só que às vezes a vida não dá para tudo...

Pedro Conde Drákula


_________________
Sou a favor da campanha: Deixa o teu comentário na história
É verdade! Já repararam com certeza que este site é constituído por Histórias venho assim dizer que o vosso comentario é extremamente importante, pois motiva o escritor a escrever mais e melhor!

Nem que seja um simples continua

Pensem nisso!
http://lua-vermelha.forumotion.com/

Pedro Conde Drákula

avatar
Adminstração
Olá parece que tive um tempinho para voltar a encarnar na pele de um Vampiro e voltar a escrever, o que sempre me fez bem não haja dúvida!

Episodio 5 - Parte 1
O comboio pára em Benfica, uma estação antes de chegar a Campolide, olho pela janela e sinto-me cada vez mais ansioso para voltar a casa, quando de repente penso, o que estou eu para aqui a dizer? Sou um Vampiro, não vou encontrar nada, nem pai nem mãe, o que quer que seja, nem a ti Carolina, já não existes mais, vou sofrer? Sou capaz mas tenho que o fazer, não por mim, mas por vós a viagem de comboio está quase a terminar oiço um som que ecoa na minha cabeça, um anúncio:
- Próximo paragem Campolide, cuidado com o degrau!
O comboio entra no seu eixo na linha que o leva à plataforma de embarque, a poucos segundos de parar eu levanto-me e saio da carruagem com direcção à porta, identifico como não tendo prata e encosto-me a ela, aparentemente normal e o comboio acaba por parar na linha indicada pelo controlador, as portas abrem-se, e eu piso o solo português a emoção é tanta que eu já alguma vez pode imaginar, mando que as pernas andem e elas obedecem ponho os meus óculos de sol, pois os raios de luz ferem-me os olhos, caminhei por entre as pessoas algumas carregadas de sacos, outras nem por isso, foi devagar no simples passo humano para fora da estação, cheguei à rua e vejo-a movimentada com muitos carros e muitas pessoas a correrem para apanhar o comboio que as levava para o Trabalho, algumas iam só de comboio até ao Rossio porque era aí que trabalhavam ou estudavam e outras ainda tinham de apanhar um outro transporte alternativo, por outras palavras faziam o transbordo e apanhavam ou o metropolitano, ou a carris, ou os barcos.
Eu atravessei a rua para o lado onde tinham prédios, e um jardim haviam três ruas perpendiculares à avenida as ruas subiam muito mas haviam ao fim das áreas habitáveis uns muros que separavam umas arvores da estrada, caminho até essa propriedade era um principio de uma floresta, o espaço era enorme e um tanto escuro, agradável, e algo familiar meto a mão ao bolso do meu casaco preto, e caminho aqui posso ser eu, e cumprir o sonho do Harry, mas tenho que arranjar um lugar para habitar, sei que vêem aí mais amigos meus, é preciso arranjar algum ponto de trabalho e aliados caminho pela floresta, a diante e constato que não existe ninguém excepto um bar aberto, mas tem na porta um anuncio: “vende-se” uma pessoa sai e eu vou falar com ela:
- Oh Patrão! – Chamo.
O homem vira-se. E pergunta:
- O que quer? – Pergunta ele meio atrapalhado.
- Não tenha medo. – Tento tranquilizar eu. – Não te vou fazer mal. Só quero saber, qual o preço do teu bar?
- Há, peço desculpa. É 90.000 €.
- 90.000€, caro não?
- Entre! Vamos falar lá dentro… – Convidou ele.
- Ok! – Aceitei.
Eu entrei para o rés – do – chão, de uma perda, pregada na parede, o rapaz puxou uma Cadeira para se sentar, esticou o braço e disse-me para me sentar noutra. O rapaz é bastante parecido comigo, o que me leva a perguntar o seu nome e o seu apelido, mas pensando melhor esta parte é mais viável. Agora penso na proposta, que ele me fez, mesmo assim é muito dinheiro.
- Qual o seu apelido? – Pergunto eu.
- Lobo, Silva Lobo. – Responde ele, o que me deixou ainda mais integrado, pois nunca tive nenhum filho e este parece-se muito comigo, mesmo que o tivesse seria velho de mais e por certo já teria morrido, ou sido transformado, o que era pouco provável. Então tento saber mais acerca da sua vida e sem que ele deia conta.
- Comprou isto…? – Pergunto eu, sim sei o que vocês estão a pensar que eu sou coscuvilheiro, sim de facto, talvez um pouco, curioso, e é isso que me tem mantido vivo, e que me fez aceitar a proposta do Harry. Penso, também, na possibilidade de ele perguntar porquê eu fiz aquela pergunta, penso em varias respostas para o caso.
- Não herdei, porquê? – Bolas, ele perguntou mesmo, o que faço, meu Deus, espera lá um Vampiro não devia acreditar em Deus, nem rezar, então porquê ainda o faço, Santo Cristo, sei que não posso ir à igreja que sou um arrenegado, que quando morrer me transformo em pó.
- Só curiosidade! – Respondo eu, foi a melhor coisa que saiu - E porquê é que quer vender? – Pergunto curioso.
- Preciso de dinheiro! – Responde o rapaz, meio aflito.
- Todos nós precisamos, com esta crise, meu amigo. – Desabafo eu, porque ao longo deste milénio tenho visto de tudo, e muito mais aprofundadamente, do que agora, sim é verdade que assisti à Segunda Guerra e vi muitas pessoas a morrerem à fome, eu ainda tive sorte em ser transformado a tempo.
- É verdade! – Concorda o rapaz.
- Em antes de eu vir para aqui, para dentro reparei que também tem a casa de cima, também é sua? – Pergunto eu interessadamente.
- Sim e também a vendo! – Disse-me ele prontamente – Vou-me embora daqui, sabe? – Acrescentou ele, em antes que eu lhe perguntasse. Entro na sua cabeça, e vejo que realmente, ele precisa de emigrar.
- Ah ok! Então 90.000 €, é muito caro! Não vale tanto. – Digo eu olhando para o local e avaliando-o com precisão, porque se ele vive com dificuldades que farei eu, não como é certo, mas também pago os impostos ao Estado como qualquer cidadão, visto que sempre vivi integrado. – Se for antes 70.000 €! – Sim de facto estava a ser generoso de mais porque a casa e aquilo a que ele chamava de estabelecimento nem 1000 € valia, mas como eu sou muito generoso, dava-lhe o dinheiro.
- 70 000€? Hum? Não, se ainda na semana passada foi avaliada em 900 000 €!
- Meu amigo, cheguei hoje de Los Angeles, acha que tenho esse dinheiro? Preciso de algum sítio para morar, estou estafado, preciso de dormir.
- 85 000€! – Rogou ele. Continuo a pensar, mesmo assim a casa não vale, tem um grande valor sentimental para mim. Mas não vale tanto.
- Amigo! Eu vou precisar fazer aqui obras, vou precisar de gastar aqui dinheiro, e a casa não vale tanto! – Penso que o meu pai, sempre me disse que a casa quando foi vendida pagou por ela um cruzado naquele tempo. Volto a entrar na cabeça do meu interlocutor de circunstancia e vejo que ele está a ficar incomodado e um pouco assustado comigo. Subo a proposta – E se for antes 75 000€!
- 75 000€?
- Sim e é pegar ou largar. – Noto os meus olhos a queimarem de raiva. Rezo para que me controle.
- Não quer ver a casa? – Pergunta ele, tentando-me rebater.
- Não!
- Não quer beber nada?
- Não!
- Então são 75 000€? Só!
- Sim só e chegam!
- Assim fico a perder.
- Não sei. – Respondo eu secamente – Mas é só o que tenho, para te oferecer. – Acrescento eu mudando o tom.
*
***
*
No Terreiro do Paço, chegam três criaturas, aparentemente humanas mas sem uma única mala, nas mãos, um rapaz que aparentava ter vinte anos, a cor da pele pálida totalmente como uma folha, fazia com que fosse o foco de atenção por parte de alguns Lisboetas que por ali passavam e também o facto de ser tão novo, ele era alto e musculado, sendo muito cobiçado pelas mulheres, descia do transatlântico, e já em terra Lisboeta, ajuda uma mulher a descer:
- Vá! Confia em mim! – Diz ele dando-lhe coragem para descer.
- Ai Henrique! Não dá. – Finge ela.
- Vá lá Beatriz! Não estou a dizer para fazeres como a Isabel que saltou.
- Agarras-me Henrique!
- Sim tas a dar nas vistas! - Ela deu a mão a Henrique e salta. Quando está no chão, abraça-o e:
- Muito obrigada, Henrique! – Agradece-lhe. – Se não fosses tu eu não conseguia sair do barco. Mais uma vez, muito obrigada.


_________________
Sou a favor da campanha: Deixa o teu comentário na história
É verdade! Já repararam com certeza que este site é constituído por Histórias venho assim dizer que o vosso comentario é extremamente importante, pois motiva o escritor a escrever mais e melhor!

Nem que seja um simples continua

Pensem nisso!
http://lua-vermelha.forumotion.com/

34Assunto Re: Isabel e Afonso - O espirito universitário em Ter Jan 03, 2012 10:43 pm

c@rl:)s


New here!
Pedro Conde Drákula escreveu:Olá parece que tive um tempinho para voltar a encarnar na pele de um Vampiro e voltar a escrever, o que sempre me fez bem não haja dúvida!

Episodio 5 - Parte 1
O comboio pára em Benfica, uma estação antes de chegar a Campolide, olho pela janela e sinto-me cada vez mais ansioso para voltar a casa, quando de repente penso, o que estou eu para aqui a dizer? Sou um Vampiro, não vou encontrar nada, nem pai nem mãe, o que quer que seja, nem a ti Carolina, já não existes mais, vou sofrer? Sou capaz mas tenho que o fazer, não por mim, mas por vós a viagem de comboio está quase a terminar oiço um som que ecoa na minha cabeça, um anúncio:
- Próximo paragem Campolide, cuidado com o degrau!
O comboio entra no seu eixo na linha que o leva à plataforma de embarque, a poucos segundos de parar eu levanto-me e saio da carruagem com direcção à porta, identifico como não tendo prata e encosto-me a ela, aparentemente normal e o comboio acaba por parar na linha indicada pelo controlador, as portas abrem-se, e eu piso o solo português a emoção é tanta que eu já alguma vez pode imaginar, mando que as pernas andem e elas obedecem ponho os meus óculos de sol, pois os raios de luz ferem-me os olhos, caminhei por entre as pessoas algumas carregadas de sacos, outras nem por isso, foi devagar no simples passo humano para fora da estação, cheguei à rua e vejo-a movimentada com muitos carros e muitas pessoas a correrem para apanhar o comboio que as levava para o Trabalho, algumas iam só de comboio até ao Rossio porque era aí que trabalhavam ou estudavam e outras ainda tinham de apanhar um outro transporte alternativo, por outras palavras faziam o transbordo e apanhavam ou o metropolitano, ou a carris, ou os barcos.
Eu atravessei a rua para o lado onde tinham prédios, e um jardim haviam três ruas perpendiculares à avenida as ruas subiam muito mas haviam ao fim das áreas habitáveis uns muros que separavam umas arvores da estrada, caminho até essa propriedade era um principio de uma floresta, o espaço era enorme e um tanto escuro, agradável, e algo familiar meto a mão ao bolso do meu casaco preto, e caminho aqui posso ser eu, e cumprir o sonho do Harry, mas tenho que arranjar um lugar para habitar, sei que vêem aí mais amigos meus, é preciso arranjar algum ponto de trabalho e aliados caminho pela floresta, a diante e constato que não existe ninguém excepto um bar aberto, mas tem na porta um anuncio: “vende-se” uma pessoa sai e eu vou falar com ela:
- Oh Patrão! – Chamo.
O homem vira-se. E pergunta:
- O que quer? – Pergunta ele meio atrapalhado.
- Não tenha medo. – Tento tranquilizar eu. – Não te vou fazer mal. Só quero saber, qual o preço do teu bar?
- Há, peço desculpa. É 90.000 €.
- 90.000€, caro não?
- Entre! Vamos falar lá dentro… – Convidou ele.
- Ok! – Aceitei.
Eu entrei para o rés – do – chão, de uma perda, pregada na parede, o rapaz puxou uma Cadeira para se sentar, esticou o braço e disse-me para me sentar noutra. O rapaz é bastante parecido comigo, o que me leva a perguntar o seu nome e o seu apelido, mas pensando melhor esta parte é mais viável. Agora penso na proposta, que ele me fez, mesmo assim é muito dinheiro.
- Qual o seu apelido? – Pergunto eu.
- Lobo, Silva Lobo. – Responde ele, o que me deixou ainda mais integrado, pois nunca tive nenhum filho e este parece-se muito comigo, mesmo que o tivesse seria velho de mais e por certo já teria morrido, ou sido transformado, o que era pouco provável. Então tento saber mais acerca da sua vida e sem que ele deia conta.
- Comprou isto…? – Pergunto eu, sim sei o que vocês estão a pensar que eu sou coscuvilheiro, sim de facto, talvez um pouco, curioso, e é isso que me tem mantido vivo, e que me fez aceitar a proposta do Harry. Penso, também, na possibilidade de ele perguntar porquê eu fiz aquela pergunta, penso em varias respostas para o caso.
- Não herdei, porquê? – Bolas, ele perguntou mesmo, o que faço, meu Deus, espera lá um Vampiro não devia acreditar em Deus, nem rezar, então porquê ainda o faço, Santo Cristo, sei que não posso ir à igreja que sou um arrenegado, que quando morrer me transformo em pó.
- Só curiosidade! – Respondo eu, foi a melhor coisa que saiu - E porquê é que quer vender? – Pergunto curioso.
- Preciso de dinheiro! – Responde o rapaz, meio aflito.
- Todos nós precisamos, com esta crise, meu amigo. – Desabafo eu, porque ao longo deste milénio tenho visto de tudo, e muito mais aprofundadamente, do que agora, sim é verdade que assisti à Segunda Guerra e vi muitas pessoas a morrerem à fome, eu ainda tive sorte em ser transformado a tempo.
- É verdade! – Concorda o rapaz.
- Em antes de eu vir para aqui, para dentro reparei que também tem a casa de cima, também é sua? – Pergunto eu interessadamente.
- Sim e também a vendo! – Disse-me ele prontamente – Vou-me embora daqui, sabe? – Acrescentou ele, em antes que eu lhe perguntasse. Entro na sua cabeça, e vejo que realmente, ele precisa de emigrar.
- Ah ok! Então 90.000 €, é muito caro! Não vale tanto. – Digo eu olhando para o local e avaliando-o com precisão, porque se ele vive com dificuldades que farei eu, não como é certo, mas também pago os impostos ao Estado como qualquer cidadão, visto que sempre vivi integrado. – Se for antes 70.000 €! – Sim de facto estava a ser generoso de mais porque a casa e aquilo a que ele chamava de estabelecimento nem 1000 € valia, mas como eu sou muito generoso, dava-lhe o dinheiro.
- 70 000€? Hum? Não, se ainda na semana passada foi avaliada em 900 000 €!
- Meu amigo, cheguei hoje de Los Angeles, acha que tenho esse dinheiro? Preciso de algum sítio para morar, estou estafado, preciso de dormir.
- 85 000€! – Rogou ele. Continuo a pensar, mesmo assim a casa não vale, tem um grande valor sentimental para mim. Mas não vale tanto.
- Amigo! Eu vou precisar fazer aqui obras, vou precisar de gastar aqui dinheiro, e a casa não vale tanto! – Penso que o meu pai, sempre me disse que a casa quando foi vendida pagou por ela um cruzado naquele tempo. Volto a entrar na cabeça do meu interlocutor de circunstancia e vejo que ele está a ficar incomodado e um pouco assustado comigo. Subo a proposta – E se for antes 75 000€!
- 75 000€?
- Sim e é pegar ou largar. – Noto os meus olhos a queimarem de raiva. Rezo para que me controle.
- Não quer ver a casa? – Pergunta ele, tentando-me rebater.
- Não!
- Não quer beber nada?
- Não!
- Então são 75 000€? Só!
- Sim só e chegam!
- Assim fico a perder.
- Não sei. – Respondo eu secamente – Mas é só o que tenho, para te oferecer. – Acrescento eu mudando o tom.
*
***
*
No Terreiro do Paço, chegam três criaturas, aparentemente humanas mas sem uma única mala, nas mãos, um rapaz que aparentava ter vinte anos, a cor da pele pálida totalmente como uma folha, fazia com que fosse o foco de atenção por parte de alguns Lisboetas que por ali passavam e também o facto de ser tão novo, ele era alto e musculado, sendo muito cobiçado pelas mulheres, descia do transatlântico, e já em terra Lisboeta, ajuda uma mulher a descer:
- Vá! Confia em mim! – Diz ele dando-lhe coragem para descer.
- Ai Henrique! Não dá. – Finge ela.
- Vá lá Beatriz! Não estou a dizer para fazeres como a Isabel que saltou.
- Agarras-me Henrique!
- Sim tas a dar nas vistas! - Ela deu a mão a Henrique e salta. Quando está no chão, abraça-o e:
- Muito obrigada, Henrique! – Agradece-lhe. – Se não fosses tu eu não conseguia sair do barco. Mais uma vez, muito obrigada.

Adoro, é claro que poderá continuar... Lol!
Abraço
C@rlos

Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo  Mensagem [Página 2 de 2]

Ir à página : Anterior  1, 2

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum